Beyoncé e JAY-Z são processados por artista jamaicana acusados de usar sua voz em música “BLACK EFFECT” sem pagá-la e creditá-la

O álbum colaborativo Everything Is Love da Beyoncé JAY-Z completou 2 anos(16-06), e junto a esse aniversário, ele foi alvo de uma nova controvérsia. Segundo relatório do TMZ, a jamaicana L’Antoinette Stines entrou com uma ação contra os artistas, alegando que sua voz foi usada na música “Black Effect” sem que fosse paga ou devidamente creditada por isso.

Alegando ser popular na jamaica por conta da sua “arte e conhecimento”, ela conta que foi procurada pelos Carters em março de 2018 para ajudá-los com dançarinos para um vídeo promovendo a turnê conjunta que preparavam. Depois de conseguir conectá-los com dançarinos, Stines alega que o casal queria registrar em áudio suas visões sobre amor, e que foi informada que sua gravação de voz seria usada “apenas para fins promocionais”.

Afirmando ter ficado em choque após ouvir sua voz durante todo primeiro minuto da faixa “Black Effect”, alegando não ter sido paga ou creditada por trabalho, ela descreveu ter se sentido “estuprada artisticamente” por isso. L’Antoinette Stines diz que recebeu um contrato pelos seus serviços apenas no dia das filmagens do vídeo promocional com dançarinos, e alega que os representantes da Beyoncé e JAY-Z disseram lhe disseram para não preocupar porque sua entrevista em áudio só seria usada apenas para uma ação promocional.

Decidindo então assinar acordo, demonstrando-se chateada por não ter tido a chance de revisá-lo com um advogado próprio, a artista afirma que não recebeu um único centavo por trabalho vocal, o que motivou ela a entrar com processo contra Jay e Bey por violação de direitos autorais, violação de direito à publicidade e danos, exigindo também créditos de composição em “Black Effect”.

Até o momento, nenhum representante dos Carters se pronunciou sobre a situação

 

Escreva aqui seu comentário

Tory Lanez diz que nunca usou nenhuma droga além de maconha
MEMBROS DA HORRORTRÓPOLE APARECEM ARMADOS EM ENTREVISTA